terça-feira, 13 de março de 2012

Em Espiritismo


EM ESPIRITISMO.

Em Espiritismo
Em Espiritismo, precisamos abolir certos chavões: “o meu jeito”; “o meu método”; “o meu sistema”
O “eu acho” deve ser substituído pelo que a Doutrina diz.
Não estamos, é evidente, impedidos de pensar por nós mesmos, todavia não podemos ficar sem espírito de auto crítica.
Quem não assimila a essência da Mensagem não é humilde – faz tipo, mas não é.
Toda idéia pessoal, a princípio, é temerária e precisa ser analisada.
Eu nunca fiz nada sem consultar os Espíritos e, neste sentido, não ouvia apenas Emmanuel…
Aliás, tal recomendação partia dele mesmo.
Não podemos fazer um Espiritismo à moda de fulano ou sicrano ….
Se não for à moda de Jesus e Kardec, não é Espiritismo !
Vejo, por exemplo, médiuns que valorizam mais a palavra de seus próprios guias espirituais do que a Codificação.
Com todo o respeito, existem espíritos que se auto-intitulam guias e que estão precisando de escola …
Apóiam-se na vaidade dos instrumentos mediúnicos de que se valem.
Eu nunca me senti líder de coisa alguma, nem de mim mesmo.
Graças a Deus, as muitas lutas e provas me vacinaram contra o perigo que eu representava para mim …
Francisco Candido Xavier.

Nenhum comentário:

Postar um comentário