segunda-feira, 16 de abril de 2012

Ovóides, por Ângelo Inácio - Senhores da Escuridão



Ovóides, por Ângelo Inácio - Senhores da Escuridão

Segue abaixo trecho do capítulo 06 do livro Senhores da Escuridão de Ângelo Inácio, psicografado por Robson Pinheiro, onde o autor espiritual traz considerações a respeito dos ovóides, gravidez extrafísica e gravidez psicológica. Temas muito interessantes para nossas discussões.

Segue o texto:

“Ao utilizar o termo perda da forma perispiritual, evidentemente o empregamos no sentido de descarte provisório, que dura o tempo exato em que a consciêcia permanece no estado mental crítico de circuito fechado. Assim que apresentar condições, o ser cujo aspecto se deteriorou é reconduzido a um útero – físico ou extrafísico – a fim de receber o choque vibratório e anímico que fará com que despertem novamente na consciência as lembranças do antigo corpo e as potencialidade adormecidas.

“O processo é semelhante em ambas as hipóteses, todavia, no tocante à gravidez extrafísica, ocorre o seguinte em linhas gerais. A matriz perisipiritual do útero materno, juntamente com os modelos mentais da mãe desencarnada na qual é acoplado o ovóide, refunde os elementos da natureza e molda novamente a figura humana. Não se esqueça das lições em nossa universidade, que esclarecem que o perispírito é uma espécie de modelo organizador das formas. Após o contato com o útero da mãe no plano astral, o restante se passa de modo automático, segundo os caminhos criados pela mãe-natureza.Isto é, o corpo mental do espírito, desperto pelo choque anímico decorrente do contato com as matrizes no útero materno, elabora, juntamente com o órgão que o abriga, um psicossoma inteiramente novo, compatível com as necessidade do espírito.A associação antes descrita, como se dá com qualquer gestação, capacita o ser a manter a conformação recém-elaborada.” (...)

_ (...) Porventura o espírito que detém a forma feminina pode engravida novamente no plano astral?

Devemos atribuir peso relativo aos termos empregados do lado de cá. Portanto - disse o guardião, pausadamente -, quando mencionamos a possibilidade de gravidez extrafísica, é bom que se entenda o verdadeiro sentido do que se quer dizer. A gestação, da forma exata como ocorre no plano físico, não encontra similar em nossa dimensão.Não existem união de gametas, espermatozóides e óvulos astrais, para produzir zigotos e, a partir destes, novos seres. Isso não ocorre. No entanto, temos de considerar que o útero materno, não somente no plano físico, mas principalmente no extrafísico, é um potente transformador, vivo e atuante, perfeitamente capaz de transubstanciar elementos sutis, devolvendo a configuração humana àqueles que a perderam.

“Assim sendo, os espíritos que apresentam condições de ser ajudados passam por uma redução da forma ovóide e são acoplados no útero extrafísico de seres que, na Terra, desempenharam a missão de mãe. Nesse estágio, faz-se um acoplamento áurico entre ambos, ou seja, do espírito da mãe desencarnada com a forma mental degenerada em ovóide, que passa a acolher. Através desse contato, refazem-se as matrizes do perispírito, outrora descartadas. A mãe desencarnada não vai parir um novo espírito; entretanto, com as energias de que é portadora na matriz uterina, auxilia na reconstituição da forma humana, que se dissipou. Tal fenômeno não é raro de se ver.
“Avançando no processo, tais espíritos são desacoplados do perispírito materno após algum tempo, suficiente para readquirir o aspecto humano, ainda esfera extrafísica, e somente então são induzidos à reencarnação, isto é, encaminhados ao útero de alguma mãe encarnada. Isso é o que ocorre na maior parte dos casos de recuperação de ovóides.(...)
_ Existem casos, Ângelo, em que o espírito, ao ser resgatado, demora, muitas vezes, dezenas de anos até reconquistar efetivamente a aparência humana. Entretanto, na hipótese de um espírito que vive na condição de ovóide apresentar maturidade para assumir novamente a face humana, tal caso vai requerer internamento nas clínicas do Plano Superior. No que se refere ao seu tratamento na dimensão astral, pode-se envolver o corpo modificado, mas não totalmente desfeito, em elementos sutis, no qual poderá ficar imerso durante longo tempo. Para a reconstituição definitiva, porém, é indispensável retornar ao corpo físico através da reencarnação. Somente assim recuperará a forma em caráter duradouro e poderá raciocinar com mais lucidez a respeito dos próprios valores, dos atos e suas conseqüências. Contudo, é importante se precaver quanto ao alto grau de periculosidade que essas entidades representam. Transformam-se em vampiros astrais e saem em busca de outros seres com os quais estabelecem mórbida sintonia, desempenando o papel de vampiros, tanto quanto de simbiontes.

_ (...) Os espíritos em estado de decomposição da forma não colocariam o corpo da mãe encarnada e risco, devido à baixa vibração de seus organismos espirituais?

_ Com certeza poderia haver tal prejuízo, por isso me referi á terapêutica em que tais espíritos são imersos em determinada substância nas clínicas das esferas superiores. Dotado de ingredientes etéricos e astrais, esse material tem a propriedade de absorver elementos tóxicos e insalubres aderidos á forma doente.
(...)

“Quando se observa a chamada gravidez psicológica, em alguns casos a investigação revela que ovóides foram vinculados às mulheres que vivem tal processo. Sem a necessidade de haver a união dos sexos, um ou mais espíritos são ligados à mulher para se exporem à repercussão vibratória causada por um perispírito e por um corpo humano saudável.”

Fonte:
Inácio, Ângelo (Espírito)
Senhores da Escuridão [psicografado por] Robson Pinheiro – Contagem – MG. Casa dos Espíritos Editora – 2008. (Cap 06 – Preciosos Apontamentos)

Nenhum comentário:

Postar um comentário